23/10/2013 16h12

Médico alerta sobre os riscos provocados por varizes

Hospital Clériston Andrade faz mutirão para tratamento da doença em Feira de Santana
Médico alerta sobre os riscos provocados por varizes
Reprodução/ Imagem ilustrativa
Laiane Cruz

O governo da Bahia, através da Secretaria Municipal de Saúde, está realizando um mutirão para tratamento de varizes. Em Feira de Santana, o atendimento às pessoas acometidas pela doença está acontecendo no Hospital Geral Clériston Andrade.
 
O diretor do hospital, José Carlos Pitangueira, explicou que as consultas deverão ser feitas às segundas-feiras no período da manhã com o médico angiologista, e que de quinze em quinze dias o hospital vem realizando uma média de 25 a 30 atendimentos. “Não vamos parar até dezembro. Esse projeto é do governo do estado e está sendo feito em todos os municípios, só para Feira que não tinha vindo ainda. Então foi oferecido para o Clériston e a diretoria achou por bem de nós fazermos”, informou.
 
Transtorno
 
As varizes, que atingem principalmente mulheres em todo o mundo, podem causar incapacitação física. No Brasil, as pessoas que sofrem com o problema têm dificuldades de fazer o tratamento e quando buscam o amparo do governo federal, para se encostarem ou aposentarem, através do INSS, não o encontram.
 
Segundo o angiologista Bráulio Sandes, as varizes são vasos que começam a dilatar pela pressão venosa dos membros inferiores e se entortam ao longo das pernas. Ele explicou ainda que isto desencadeia um processo social.
 
“Atualmente, nos Estados Unidos da América a carteira de acidentes de trabalho possui mais de quatro milhões de trabalhadores aposentados ou encostados devido a essa insuficiência venosa nos membros inferiores. Este é um processo de grande importância para o Brasil, com este desenvolvimento industrial que existe no país, para que se tenha uma atenção maior com essa patologia”, disse.
 
O médico aponta que pessoas que trabalham em pé, colocando peso do corpo sobre as pernas o dia todo, podem contrair a doença. Segundo o médico, as gestantes são as mais atingidas, principalmente quando, durante a gestação, precisam trabalhar fora. 
 
“A mulher já tem uma tendência hormonal na formação de varizes, ela tem um processo estrutural dela na gestação com a compressão do abdômen, que dá realmente uma hipertensão venosa nos membros inferiores”, afirmou o médico.

Tratamento
 
O tratamento das varizes varia, segundo Sandes, de acordo com o grau de insuficiência venosa de cada paciente, que pode se tratar apenas com remédios e meias de compressão, ou até mesmo passar por cirurgias, como a escleroterapia e as cirurgias com laser. 
 
A cirurgia a laser, por outro lado, é mais moderna e indolor ao paciente, mas ainda não está acessível à população através dos planos de saúde, devido aos valores dos repasses aos médicos estarem defasados. Por isso, muitas pessoas, para terem acesso a essa técnica, precisam pagar do próprio bolso a cirurgia, que tem um custo elevado.

As informações são do repórter Ney Silva do Acorda Cidade.